• Cristina Cruz

CONTRATO VERDE E AMARELO

#contratodetrabalho #contratoverdeeamarelo #emprego



Parte 1

BL.: MP 905 DE 11 DE NOVEMBRO DE 2019

18 ANOS <__________________________________> 29 ANOS

REGISTRO 1 EMPREGO NA CARTEIRA

Não são considerados :

Menor aprendiz;

Contrato de experiência;

Trabalho internitente;

Trabalho avulso.

Novos postos de trabalho

Referência => média da folha de pagamento entre 01/01/19 a 31/10/19.

Até 20% do total dos empregados, até o mês corrente de apuração;

10 empregados => até 2 empregados nessa modalidade, inclusive empresas constituídas a partir de 01/01/2020.

Contratações > ou= 0,5 =1; < ou= 0,5 = zero.

Trabalhador contratado por outras formas de trabalho, se dispensado, não pode ser reintegrado antes de 180 dias,contado da dispensa, salvo …

Se em 31/10/19 for > ou = 30% de 31/10/2018 observa o

Salário até 1 SM e meio do piso nacional;

12 meses de contratação pode aumentar o salário até o limite de até 1 SM e meio do piso nacional;

Mantido os direitos da CLT;

Prazo de contratação:

até 24 meses , a critério do empregador.

Poderá ser utilizado para qualquer atividade:

Transitória;

Permanente;

Substituição provisória de pessoal permanente.

Não se aplica o artigo 451 CLT no contrato de trabalho verde e amarelo.

Art. 451 - O contrato de trabalho por prazo determinado que, tácita ou expressamente, for prorrogado mais de uma vez passará a vigorar sem determinação de prazo.“

O contrato de trabalho verde e amarelo será convertido automaticamente em contrato de trabalho por prazo indeterminado quando ultrapassar 24 meses, passando a incidir as regras do contrato conforme CLT.

Pagamentos antecipados:

Remuneração;

13 salário proporcional;

Férias proporcional mais 1/3.

A Aliquota mensal relativa ao art. 15 lei 8036/90 será de 2%.

Art. 15 lei 8036/90

Art. 15. Para os fins previstos nesta lei, todos os empregadores ficam obrigados a depositar, até o dia 7 (sete) de cada mês, em conta bancária vinculada, a importância correspondente a 8 (oito) por cento da remuneração paga ou devida, no mês anterior, a cada trabalhador, incluídas na remuneração as parcelas de que tratam os arts. 457 e 458 da CLT e a gratificação de Natal a que se refere a Lei nº 4.090, de 13 de julho de 1962, com as modificações da Lei nº 4.749, de 12 de agosto de 1965. (Vide Lei nº 13.189, de 2015) Vigência

§ 1º Entende-se por empregador a pessoa física ou a pessoa jurídica de direito privado ou de direito público, da administração pública direta, indireta ou fundacional de qualquer dos Poderes, da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, que admitir trabalhadores a seu serviço, bem assim aquele que, regido por legislação especial, encontrar-se nessa condição ou figurar como fornecedor ou tomador de mão-de-obra, independente da responsabilidade solidária e/ou subsidiária a que eventualmente venha obrigar-se.

§ 2º Considera-se trabalhador toda pessoa física que prestar serviços a empregador, a locador ou tomador de mão-de-obra, excluídos os eventuais, os autônomos e os servidores públicos civis e militares sujeitos a regime jurídico próprio.

§ 3º Os trabalhadores domésticos poderão ter acesso ao regime do FGTS, na forma que vier a ser prevista em lei.

§ 4º Considera-se remuneração as retiradas de diretores não empregados, quando haja deliberação da empresa, garantindo-lhes os direitos decorrentes do contrato de trabalho de que trata o art. 16. (Incluído pela Lei nº 9.711, de 1998)

§ 5º O depósito de que trata o caput deste artigo é obrigatório nos casos de afastamento para prestação do serviço militar obrigatório e licença por acidente do trabalho. (Incluído pela Lei nº 9.711, de 1998)

§ 6º Não se incluem na remuneração, para os fins desta Lei, as parcelas elencadas no § 9º do art. 28 da Lei nº 8.212, de 24 de julho de 1991. (Incluído pela Lei nº 9.711, de 1998)

§ 7o Os contratos de aprendizagem terão a alíquota a que se refere o caput deste artigo reduzida para dois por cento. (Incluído pela Lei nº 10.097, de 2000)

A indenização sobre o saldo do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - FGTS, prevista no art. 18 da Lei nº 8.036, de 11 de maio de 1990, poderá ser paga, por acordo entre empregado e empregador, de forma antecipada, mensalmente, ou em outro período de trabalho acordado entre as partes, desde que inferior a um mês, juntamente com as parcelas acima relacionadas;

Art. 18 lei 8036/90

Art. 18. Ocorrendo rescisão do contrato de trabalho, por parte do empregador, ficará este obrigado a depositar na conta vinculada do trabalhador no FGTS os valores relativos aos depósitos referentes ao mês da rescisão e ao imediatamente anterior, que ainda não houver sido recolhido, sem prejuízo das cominações legais. (Redação dada pela Lei nº 9.491, de 1997)

§ 1º Na hipótese de despedida pelo empregador sem justa causa, depositará este, na conta vinculada do trabalhador no FGTS, importância igual a quarenta por cento do montante de todos os depósitos realizados na conta vinculada durante a vigência do contrato de trabalho, atualizados monetariamente e acrescidos dos respectivos juros. (Redação dada pela Lei nº 9.491, de 1997)

§ 2º Quando ocorrer despedida por culpa recíproca ou força maior, reconhecida pela Justiça do Trabalho, o percentual de que trata o § 1º será de 20 (vinte) por cento.

§ 3° As importâncias de que trata este artigo deverão constar da documentação comprobatória do recolhimento dos valores devidos a título de rescisão do contrato de trabalho, observado o disposto no art. 477 da CLT, eximindo o empregador, exclusivamente, quanto aos valores discriminados. (Redação dada pela Lei nº 9.491, de 1997) (Vide Lei complementar nº 150, de 2015)

A indenização de que trata o §1º será paga sempre por metade, sendo o seu pagamento irrevogável, independentemente do motivo de demissão do empregado, mesmo que por justa causa, nos termos do disposto no art. 482 da Consolidação das Leis do Trabalho, aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1943.

“Art. 482 - Constituem justa causa para rescisão do contrato de trabalho pelo empregador:

a) ato de improbidade;

b) incontinência de conduta ou mau procedimento;

c) negociação habitual por conta própria ou alheia sem permissão do empregador, e quando constituir ato de concorrência à empresa para a qual trabalha o empregado, ou for prejudicial ao serviço;

d) condenação criminal do empregado, passada em julgado, caso não tenha havido suspensão da execução da pena;

e) desídia no desempenho das respectivas funções;

f) embriaguez habitual ou em serviço;

g) violação de segredo da empresa;

h) ato de indisciplina ou de insubordinação;

i) abandono de emprego;

j) ato lesivo da honra ou da boa fama praticado no serviço contra qualquer pessoa, ou ofensas físicas, nas mesmas condições, salvo em caso de legítima defesa, própria ou de outrem;

k) ato lesivo da honra ou da boa fama ou ofensas físicas praticadas contra o empregador e superiores hierárquicos, salvo em caso de legítima defesa, própria ou de outrem;

l) prática constante de jogos de azar.

m) perda da habilitação ou dos requisitos estabelecidos em lei para o exercício da profissão, em decorrência de conduta dolosa do empregado. (Incluído pela Lei nº 13.467, de 2017)

Parágrafo único - Constitui igualmente justa causa para dispensa de empregado a prática, devidamente comprovada em inquérito administrativo, de atos atentatórios à segurança nacional. (Incluído pelo Decreto-lei nº 3, de 27.1.1966)

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Empresa Simples e Simples Pura

#legalização #empresasimples #empresasimplespura #tipossocietarios Qual a diferença entre empresa simples e a empresa simples pura? Bem, até o advento do Novo Código Civil, lei n. 10.406/2002 as empre

Como calculo o simples nacional no anexo II

#sn #simplesnacionalanexoII #simplesnacional #anexoII E então, vocês sabem como calcular o imposto do simples nacional no anexo II? Primeiro temos que ter a RBT12(receita bruta acumulada nos últimos 1

© 2023 por Serviços Financeiros. Orgulhosamente criado com Wix.com

  • s-facebook
  • Twitter Metallic
  • s-linkedin